Páginas

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Trigésima Nona Carta: Fiz por quem eu não devia...

"Eu errei, confesso. Não sabia que estava esse tempo todo pondo sobre a minha face uma máscara de palhaço e serviam de apoio para os outros; enquanto sobia, eu caia, cada vez mais fundo, num oceano profundo, profundo em sua inexistência física. Demorei pra perceber que eu estava me servindo a falta que eu sentia, achando que eu precisava de você quando, na verdade, eu precisava de mim. Demorei pra perceber que eu estava nascendo diferente à cada dia para quem nem dormia pensando em mim. Após isso, percebi que estava vivendo por quem nem sequer me tinha como motivo de viver. Percebi que estava tornando você meu motivo de viver. Agora vejo que estava chorando por quem nem sequer derramava uma lágrima por mim. E, criminosamente, eu estava tentando ser presente na vida de alguém que só me era uma amiga de cartas. Afinal, os bons tempos passaram. Sem beijos, abraços, sorrisos, sem carinho... Sem amor.... Estava entregando todo meu coração machucado para alguém que queria um coração novo, diferente e que não fosse o meu. Percebi que estava pecando contra a minha natureza de ser feliz me fazendo triste por ela. Notei que estava ficando ansioso por alguém que me apenas me olhava de longe. Percebi que estava buscando olhar para alguém que fazia sorrisos alegres para outras pessoas e me deixava como o último lembrete do bloco. Demorei, mas descobri que estava socando as paredes e quebrando as molduras por alguém que nem sentia euforia em me ver. Notei que estava me preocupando com alguém que nem sabia se queria meu bem ou não. Me preocupei demais com alguém que só recebia minhas cartas sem responder. Te dei 1001 motivos para ser feliz e você me deu 1 motivo para cometer suicídio. Fiz tudo isso por alguém que - vejo agora - não merecer. Quero que meu coração perdoe minha mente por tanto ter sido machucado injustamente. Espero agora que ele se cure rapidamente para que eu possa entregá-lo à outrem. Quero que você seja feliz e nunca mais tenha que "fingir" se importar comigo. Continue seu caminho divino que eu sigo meu caminho de um mero humano. Você pode acreditar no seu Deus que escolhe o momento certo para ser feliz. Mas acho que seu Deus não sabe que nós preferimos buscar nossa felicidade, não esperar ela vim de um momento que ele "planejou". Pseudo-amizade. Vou agora buscar minha felicidade, pois dizem que a felicidade cura um coração partido, regenera um pedaço que se foi, unta os cacos. Me desprezo, por enquanto, por ter agido com todos os verbos do dicionário - chorei, ri, magoei, cai, morri, entre outros - por alguém que eu não devia. Espero que meu coração me perdoe e se recupere o mais rápido possível. Espero que as cartas que eu te entreguei continuem queimando silenciosamente. Não quero me lembrar do quanto sofri tentando te fazer feliz."

Cartas Diretas, obrigado.
Postar um comentário