Páginas

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Vigésima Sexta Carta: Fidelidade.

"Fidelidade não é amar demasiadamente perfeito. Fidelidade não é sentir uma paixão imensurável. Retratos são fatos que demonstram verdades manipuladas, pensadas, cooperadas. Fidelidade devia ser retrato, devia ser premeditado, devia ser pensado antes - muito bem por sinal. Fidelidade é respeito que se dá, é uma analogia irreversível, é um ato magnânimo de companheirismo; nada a ver com amor ou paixão. Respeito se dá e respeito se recebe... mas por que fidelidade se dá e não se recebe? Anoitece e a fidelidade se esvai na falta de claridade... Não sei porque isso, mas o culpado sou eu."

Cartas Diretas, obrigado.
Postar um comentário